AutoShow

Vendas de carros novos devem crescer 7% em 2024, projeta Anfavea

Avaliação da entidade está ancorada em juros mais baixos e confiança em alta do consumidor. Por Redação AutoShow

Volkswagen Divulgação

O mercaro de carros novos está mudando com a chegada de novas marcas e modelos, além de carros eletrificados. Hoje a Anfavea, associação nacional de fabricantes de veículos, divulgou suas projeções de mercado para 2024 e também confirmou a realização de um evento em moldes diferentes do antigo Salão do Automóvel. A Anfave espera um crescimento de 7% nas vendas chegando a um total de 2,45 milhões de unidades em 2024.
As exportações devem crescer 2% chegando a 407 mil automóveis e 22 mil veículos comerciais de grande porte.

presidente da Anfavea Marcio de Lima Leite (Marcos Camargo – AutoShow)

Já a produção deve crescer 4,7% e alcançar um volume de 2,47 milhões de unidades nas fábricas brasileiras sendo 2,3 milhões de automóveis e 160 mil veículos pesados.
A Anfavea prevê um crescimento superior a 2022 e analisa que as taxas de juros estarão mais baixas no próximo ano, câmbio estável e tendência de menor juros. Márcio de Lima de Leite, presidente da Anfavea disse que “há uma tendência de queda no custo do financiamento embora tenhamos alguns pontos importantes a serem discutidos”.


Leite lembra que um dos pontos que ajudariam a reduzir os juros do financiamento é a lei de garantia que previa retomada de bens financiados em caso de não pagamento. Mas o projeto de lei foi vetado.
Ainda assim, o presidente da Anfavea se disse otimista com o mercado automotivo em 2024: “espero que a gente erre, espero chegar a 2,8 milhões ou 3 milhões de unidades no próximo ano, mas nosso estudo baseado em números aponta um crescimento de 7%”.

Brasil e Argentina


O mercado de exportações deve ficar estável no próximo ano. Quando questionado sobre a postura do novo governo argentino, Leite afirmou que “havia um discurso na campanha e depois outro discurso mais suave após a campanha especialmente no relacionamento entre Brasil e Argentina”. O presidente da entidade disse que num primeiro momento com a queda repentina na inflação, as vendas de carros devem cair “isso porque o argentino compra carro esperando sua valorização e com a mudança da lógica haverá uma queda no primeiro momento mas depois o mercado deve se recuperar”, afirmou.

Marcio de Lima Leite confirmou que no próximo ano a Anfavea em conjunto com os principais fabricantes de veículos, irão realizar um evento. “Não terá os mesmos moldes do antigo salão do automóvel. Será um evento de experiência, mostrando tecnologias do Brasil para o mundo e teremos apoio do governo, já conversamos com o vice-presidente Geraldo Alckmin e outras entidades para que estejam conosco neste projeto”.