AutoShow

Avaliação: Ford Ranger XLT não deve (quase) nada à Limited e custa menos

Teste completo da versão intermediária da Ford Ranger 2024. Por Marcos Camargo Jr

Ford Ranger XLT é a versão intermediária da picape por R$ 289,9 mil (Marcos Camargo Jr)

A nova geração da Ford Ranger vem se consolidando como vice-líder de mercado desbancando a atual Chevrolet S10. Entre as seis versões, três delas a partir da XLS contam com o novo motor V6 3,0 litros e na versão XLT intermediária há um pacote interessante de custo benefício que testamos nessa matéria.

Visual é mais simples e as rodas são menores (Marcos Camargo Jr)

No estilo e acabamento como um todo a Ford Ranger XLT abre mão de tantos cromados e fica apenas com a moldura da grade e para-choque traseiro com visual mais leve. Nas laterais, não notamos santantônio, apenas um estribo plástico e não há frisos cromados.
Nas laterais, o adesivo grande”4WD”, que é referência para a tração 4X4 e as rodas são aro 17 sem acabamento diamantado, apenas pintada na cor cinza. Na traseira, além do emblema azul oval, há uma insígnia “XLT” e nada além disso.


Interior mais simples

Interior é mais simples nas forrações e comandos (Marcos Camargo Jr)

Se por fora ela perde muitos itens da versão mais cara, por dentro se nota que a economia é mais contida. O painel também não traz cobertura com detalhes em outros tons embora traga a multimídia vertical Sync 4 com tela de 10 polegadas (com Android Auto e Apple CarPlay) e os bancos são em couro.

Bancos em couro com costura mais clara na versão XLT (Marcos Camargo Jr)

Na Ford Ranger XLT não há partida por botão mas sim uma simples chave canivete usada na geração antiga e em modelos já fora de linha como o Focus e o próprio Ka. O banco do motorista tem ajuste elétrico, há ajuste de altura e profundidade para o volante revestido em couro e até os farois principais e de neblina são em LED mas não tem ajuste de altura.

banco dianteiro elétrico na XLT (Marcos Camargo Jr)

Apesar das simplicidades, a Ford Ranger XLT tem retrovisores externos com rebatimento, sensor de chuva, ar digital de uma zona, comando de voz, freios a disco nas quatro rodas, start-stop, alerta de colisão, assistente autônomo de frenagem, faróis de neblina de LED, sensor de estacionamento dianteiro e retrovisor eletrocrômico. Há saída de ar-condicionado no banco traseiro, carregador de celular por indução, seletor de modos de condução, câmera de ré, sensor de estacionamento traseiro, faróis full LED e entradas USB (tipos A e C).


Motor V6 é o ponto alto da Ranger

Motor V6 3,0 litros de 250cv tem funcionamento silencioso (Marcos Camargo Jr)

A Ranger vem com o novo motor V6 3,0 litros a partir da versão XLS. Trata-se de uma evolução de um motor conhecido do projeto Lion já usado na linha Land Rover mas com muitas atualizações e 250 cv com 60 kgfm e câmbio automático de dez velocidades. Há opção de tração 4X2, 4X4 de alta velocidade, sob demanda e 4X4 para baixas velocidades com diferencial travado.

Azul é outra opção de cor da Ranger XLT (Ford Divulgação)

Na prática o desempenho do novo motor segue como ponto alto da Ranger. O longo curso de suspensão, as respostas disponíveis desde as rotações baixas do motor e a boa comunicação com o câmbio são destaque. O consumo ficou em torno dos 9,5km/l na cidade e 11km/l na estrada. Quem abre mão de itens como alerta de ponto cego, ACC e um acabamento mais refinado vai se sentir à vontade na Ranger XLT. O funcionamento do motor é suave, a comunicação com o câmbio é muito boa. Na ficha técnica, a Ranger tem 5,37 metros de comprimento, 2,20 m de largura, 1,87 m de altura e 3,27 m de distância entre-eixos.
Claro que há alguns incômodos como a interferência do start stop acionado em qualquer parada, o alerta de ponto cego faz muita falta em um carro grande bem como um sensor dianteiro.

Detalhe traseiro da Ford Ranger XLT (Marcos Camargo Jr)


Também requer cuidado a alavanca eletrônica seletora de marchas que “pula” para a posição seguinte facilmente, mas são detalhes. O painel digital é de fácil leitura embora mostre o conta giros em uma barra vertical e os comandos da multimídia poderiam ser mais diretos e mais intuitivos. A capacidade de carga é de 1.050kg.

Ao comparar com outras picapes, a versão intermediária se equipara a concorrentes como Amarok Comfortline (R$ 298.480) e Hilux SRV (R$ 289.990) das picapes rivais. Também é mais equipada que e moderna que concorrentes como Nissan Frontier e Chevrolet S10 mesmo comparando com as versões topo de linha já na faixa dos R$ 300 mil.

Ford Ranger XLT 2024 por R$ 289,9 mil (Ford Divulgação)

A linha da Ford Ranger 2024 é bastante versátil na gama de modelos e também de preços e a XLT se mostra uma versão com boa relação entre custo e benefício. Sai por R$ 50 mil a menos do que uma Limited mas compensa pela mecânica e lista mais enxuta por um valor interessante de R$ 289,9 mil.

Veja abaixo os preços e versões da nova Ford Ranger 2024

Ranger XL 2.0 4×4 MT – R$ 239.990
Ranger XLS 2.0 4×2 AT – R$ 234.990
Ranger XLS 2.0 4×4 AT – R$ 259.990
Ranger XLS 3.0 V6 4×4 AT – R$ 279.990
Ranger XLT 3.0 V6 4×4 AT – R$ 289.990
Ranger Limited 3.0 V6 4×4 AT – R$ 319.990
*Pacote opcional da Ranger Limited 3.0 V6 – R$ 339.990

fechar